Metades de mim

Tenho andado tão plural.
Como diz Martha Medeiros: ¨São tantas mulheres em uma só¨.
Uma parte de mim quer conquistar o mundo, mas a outra insiste em fazer bolinho de chuva e assistir seção da tarde em plena quarta-feira com minha filha.
Sentimentos antagônicos.
Tenho tentado equilibrar isso há uma década, mas a cada dia me sinto incompleta.
Como se tivesse duas meias vidas ao invés de uma inteira.
Como se só vivesse os bons momentos nos intervalos.
Como se só pudessem encontrar fragmentos de mim em cada lugar que eu esteja.
É tão difícil mudar o fluxo das nossas vidas.
Tenho me surpreendido muito e duvidado das minhas próprias decisões.
Hesito, sigo, volto, repenso.
Preciso experimentar novas trilhas, tão minhas como as de hoje.
Devia seguir um novo roteiro.
Mas acho que dessa vez vou improvisar.

Stella Verçosa

images

“Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio;
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca;
Porque metade de mim é o que eu grito,
Mas a outra metade é silêncio…

Que a música que eu ouço ao longe
Seja linda, ainda que tristeza;
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante;
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade…

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece
E nem repetidas com fervor,
Apenas respeitadas como a única coisa que resta
A um homem inundado de sentimentos;
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo…

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço;
E que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada;
Porque metade de mim é o que penso
Mas a outra metade é um vulcão…

Que o medo da solidão se afaste
E que o convívio comigo mesmo
Se torne ao menos suportável;
Que o espelho reflita em meu rosto
Um doce sorriso que me lembro ter dado na infância;
Porque metade de mim é a lembrança do que fui,
A outra metade eu não sei…

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
para me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais;
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço…

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade para faze-la florescer;
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção…

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade… também”.

(Oswaldo Montenegro)

Tags: , , , , , , , , , ,

2 respostas para Metades de mim

  1. Rodrigo Rocha disse:

    Stella passei para conhecer seu blog ele é not°10, show, espetacular com excelente conteúdo você fez um ótimo trabalho desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
    Um grande abraço e tudo de bom

  2. Zuzu disse:

    …até quando???
    Na verdade são mesmo duas metades: Uma, quer te jogar pro alto a outra,? Quer te socorrer e te abraçar após a queda !
    Só resta fazer sua opção.
    A verdade está em seus momentos. Curta essa felicidade e se complete.
    ..você é tão verdadeira…seja muito feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>