Dias singulares

E de repente há um mundo entre nós
E a falta de palavras cria uma distância quilométrica
O que dói é não achar sentido mais nas coisas
Muita vida passou, seria muito ingênuo acreditar que seríamos imunes
Onde foi que as coisas pararam de acontecer?
Tem dias assim, de indecisões doídas
Dias que não quero voltar pra casa
Dias que desejo qualquer coisa, menos o deserto da solidão
São dias singulares
Só que aprendi a ver a vida no plural
Mesmo nos dias em que fui só uma vírgula, um parênteses, um fragmento do seu dia
E mesmo que a vida anda dizendo o contrário, ainda não estou pronta para a renúncia
Porque no fundo eu tenho essa capacidade de continuar sonhando
Mesmo quando não são mais sonhos coloridos…

Stella Verçosa

“Os laços que nos unem as vezes são impossíveis de explicar. Eles nos conectam até mesmo depois de parecer que foram rompidos. Alguns laços desafiam a distância, o tempo, e a lógica. Porque simplesmente devem existir.” (Grey’s Anatomy)

Escolhas

Tags: , , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>